[ editar artigo]

5 aprendizados no European Innovation Academy

5 aprendizados no European Innovation Academy

Se eu falasse que é possível criar uma empresa do zero em 3 semanas, você acreditaria? Eu também não. Até eu conhecer o European Innovation Academy, programa líder em empreendedorismo e inovação no mundo.

E por conhecer, digo participar. Estar lá e fazer parte do processo intenso de idealizar, pivotar, planejar (pivotar de novo) e construir uma startup. Mesmo sem saber como fazer direito nada disso, a experiência na prática me proporcionou um conhecimento que nenhuma sala de aula ensinaria.

Esse não é um texto explicando como montar uma empresa em 3 semanas, nem como desenvolver um business model, na verdade não é nem sobre empreendedorismo. Esses aprendizados foram apenas uma pequena parte do que apreendi nesse programa. E tudo se resume em poucas palavras, apenas 5, mas que me ensinaram muito mais que palavras em grandes livros.

 Resiliência

Resiliência é a “capacidade de o indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas”. Se tem uma coisa que o EIA ensina é isso. Já começando pelo fato de estar em outro país, outra língua, outras pessoas, situações novas e muitos problemas. O fato de estar longe de casa, pegar voos sozinha e ficar a mercê do vento da cidade de Cascais sem casaco, mostram que “se virar” é algo que se aprende quando estamos em situações fora da zona de conforto. Mas que são importantes para nosso crescimento e maturidade.

Diversidade

Uma das coisas mais ricas é conhecer pessoas que você nunca conversaria, que não estariam em sua roda de amigos se não fosse por essa mistura de pessoas em um mesmo lugar. Noruegueses, americanos, canadenses, portugueses, brasileiros e centenas de nacionalidades que nem sei que língua falavam.

Em 3 semanas é possível entrar em uma espécie de rotina, insana, mas com hábitos, que nos permite conhecer a fundo o país, seus jeitos, a cultura, as diferenças e as semelhanças- que são muitas-  com o Brasil. Além, é claro, de trabalhar com um time internacional, que muitas vezes pensa diferente de você. E isso é ótimo. Pois percebemos que o mundo não é apenas a nossa tão pequena realidade, nossa bolha estourou.

Learn by doing

Um dos principais hábitos que temos nas escolas e faculdades é aprender mais teoria do que prática. No caso do European Innovation Academy, é totalmente ao contrário. Tudo que se aprende é fazendo. Claro que isso implica muito mais desafios, mas quando se aprende na prática a chance de realmente usar soft skills, como comunicação, liderança e trabalho em equipe, e de nunca mais esquecer o que se aprendeu são muito maiores do que os velhos slides e quadros de giz.

Gestão de tempo

Descobri que se consegui montar uma startup em 3 semanas, consigo realizar muito mais coisas em menos tempo. Após um processo de aceleração mental como esse vivido, ganhei agilidade em tarefas menores, que antes pareciam grandes e demoradas por pura questão de procrastinação. Nosso tempo realmente é precioso, e isso me ensinou que precisamos tomar decisões e prioridades. Após o EIA, a sensação é de que em um mês posso fazer o que normalmente demoraria três.

Antes feito do que perfeito

Se tem uma coisa que pode sim atrapalhar é perfeccionismo. Muitas vezes, quando perguntado qual seu maior defeito, as pessoas tendem a achar perfeccionismo mais uma “qualidade disfarçada” do que um defeito em si. Porém, a busca excessiva por perfeição é um empecilho gigante na hora de desenvolver um produto ou serviço, pois você ficará na ideia para sempre.

Voltando a falar de gerenciamento de tempo, confesso que esse foi um dos grandes erros cometidos no meu projeto. Pequenos detalhes que poderiam ser arrumados depois deram mais importância a grandes tarefas. Mas, como toda a experiência, errar faz parte.  

Isso não quer dizer que não se deva tentar fazer o seu melhor e trabalhar para resultados. Mas, em 3 semanas, vale mais um MVP simples que funcione do que uma ideia na cabeça “perfeita”.  

 


Sendo você um empreendedor ou não, essa experiência tem muito a ensinar. Não sai do programa com prêmios ou sendo uma especialista em marketing. E nem são essas as razões do EIA. Mas, durante aquelas semanas, pude perceber as pequenas vitórias que existem na vida. Como lidar com saudade, realizar canvas sem nunca ter feito um ou, simplesmente, se aventurar por aí. Descobrir o mundo.

The Business Change
Thais Porsch
Thais Porsch Seguir

Estudante de Jornalismo e fotógrafa

Ler conteúdo completo
Indicados para você