[ editar artigo]

Como um tapa na cara da concorrência pode elevar o padrão da sua marca A história do outdoor de Tommy Hilfiger

Como um tapa na cara da concorrência pode elevar o padrão da sua marca
A história do outdoor de Tommy Hilfiger

Eu debati chamar esse texto de “ Doutor Propaganda ou: Como eu aprendi a amar anúncios e acreditar nos profissionais” porque: hoje em dia existem vários jeitos de colocar a sua marca no mapa mas em 1986 as opções eram bem limitadas, elas se resumiam a anúncios transmitidos nos intervalos de programas de rádio\televisão, anúncios impressos em revistas e jornais (quando foi a última vez que você comprou alguma publicação periódica impressa?) e outdoors\mobiliário urbano, essas limitações foi o que levaram Hilfiger e seus parceiros para uma consulta com o brilhante diretor de arte e designer George Lois, que mostrou para o jovem designer com um sobrenome de difícil pronúncia como uma opinião externa pode mudar o rumo de um negócio .

"Eu não faço anúncios de moda"

George Lois deixou isso bem claro quando conheceu Hilfiger, e seu portfólio provava isso.Nos seus 30 anos de carreira até aquele ponto tinha de tudo, desde campanhas para candidatos a senadores como foi o caso de Robert F. Kennedy em 1964 até a campanha que salvou a MTV da falência, a mundialmente famosa e icônica  “I WANT MY MTV”, que teve como mascotes ninguém menos que nomes como Mick Jagger (Rolling Stones), Pete Townshend (The Who), Madonna, David Bowie e vários outros nomes da época, mas nunca de moda, e isso se mostrou bem claro quando ele apresentou a sua ideia original para Tommy e seus parceiros. 

 A campanha que Lois tinha em mente para a marca de Tommy envolvia envolvia um outdoor com fotos de ambos Ralph Lauren e Calvin Klein com “X” gigantes em suas faces seguidos pela legenda “Eles são o passado” e logo ao lado deles uma foto de Hilfiger sem o “X” com a legenda “ele é o futuro”.

 Isso não agradou Hilfiger que citou a ideia de George como “vergonhosa e desagradável”

(Dois adjetivos que poderiam e provavelmente foram utilizados para descrever a campanha que foi ao ar, mas eu estou me adiantando, já chegaremos lá). Tommy tinha uma ideia completamente diferente e muito mais conservadora para a campanha de lançamento de sua marca, ele queria levar alguns modelos para os Hamptons e fotografá-los usando as suas roupas nas praias da região.

O que Hilfiger não conseguia ver na época e que George precisava colocar o nome da sua marca na boca do povo e que modelos na praia não iriam funcionar.

 George não acreditava em campanhas como a que Hilfiger queria, e para provar seu ponto mostrou para Tommy diversos anúncios de outras marcas de moda masculina que seguiam a mesma linha de pensamento e estilo proposta por ele, e pediu para que ele identificasse qual marca tinha veiculado qual anúncio e obviamente Tommy fracassou provando o ponto de George.

 Mesmo após ter sua ideia rebatida, Hilfiger ainda não acreditava que algo como George queria fazer era a melhor opção para sua marca e esse vai e volta entre os dois continuou até que os parceiros do designer se intrometeram, após o lembrarem de que tinham uma verba limitada para a campanha de lançamento (U$$ 200.000) Tommy relutantemente concordou com George, que criou o agora icônico outdoor que foi veiculado em Manhattan que simultaneamente atacava as três maiores competidoras do jovem designer (Ralph Lauren, Perry Ellis e Calvin Klein) enquanto divulgava a marca de Hilfiger. 

 Após a grande repercussão e sucesso do outdoor, George ainda criou três anúncios consecutivos de página dupla o último desses mostrava um Tommy sorridente e confiante, isso solidificou o seu lugar como o rei da terceira geração de moda masculina.

 

Muitas vezes empreendedores são muito protetores de suas criações e não são receptivos a sugestões externas, mesmo que de profissionais, e isso pode ser extremamente prejudicial para uma marca saindo do chão.

 

 

 

The Business Change
Ler conteúdo completo
Indicados para você