[ editar artigo]

Share your CASE 2018

Share your CASE 2018

Faz exatamente uma semana que participei do CASE 2018  e tenho tanta coisa para compartilhar que não sei nem por onde começar. Foram tantas palestras, stands, conversas e informações valiosas... Acredito que um post não será suficiente para contar para vocês como foi essa experiência. Bom, primeiramente eu gostaria novamente de agradecer a HAG pela chance de ter participado do sorteio CASE 2018. Fiquei muito feliz de ter ganhado e ter participado de um evento tão grande como esse.

O CASE me deu a oportunidade de me atualizar sobre os mais diversos assuntos que estão rolando no mundo do empreendedorismo, da era digital e das startups. Como sou da área da comunicação acabei assistindo várias palestras da área e gostaria de compartilhar com vocês algumas informações que mais me chamaram a atenção. Shall we?

 

Parte I - Aí vamos nós!

 

Palestra da Yellow - Simples como andar de bicicleta

O Renato Freitas deu uma palestra super legal apresentando suas experiências profissionais e o trajeto percorrido ao longo de sua carreira. Ele compartilhou alguns cases apontando as principais dificuldades e aprendizados que ele obteve durante sua caminhada. Dos cases apresentados, achei esses dois bem interessantes:

 

O primeiro foi a criação do app da 99 taxis que na época foi um super desafio, tendo em vista que os taxistas da época não possuíam smartphones e também já exista o Uber no mercado, seu maior concorrente, que oferecia um preço mais acessível do que os táxis. Mas com muita criatividade, pesquisa e compartilhamento de informações com os taxistas sobre a funcionalidade do aplicativo e dos smartphones, a 99 taxis deu certo e está aí até hoje levando muitos brasileiros para vários lugares.

 

E o segundo case foi a criação da Yellow. Que para quem assistiu a palestra ficou a sensação que tudo foi realmente tão "simples como andar de bicicleta". Para quem não conhece, a Yellow é um sistema de serviço de compartilhamento de bicicletas que começou a operar em Agosto desse ano na capital paulista.

 

Sinceramente, na minha opinião, o Renato Freitas teve uma ideia sensacional. Ele pensou da forma que toda empresa deveria pensar: O que as pessoas precisam que nem elas sabem? É isso mesmo! Muitas vezes nós mesmos não sabemos o que precisamos até que aquilo nos seja apresentado. E esse case mostra claramente isso.

 

No Brasil, principalmente nas grandes capitais, as pessoas estão tão acostumadas a andar de carro, moto e transporte público que muitas delas nem se quer pensavam que existe sim uma terceira opção, a BICICLETA!!! Mas calma, pera aí, andar de bicicleta em São Paulo? É sério isso? 

 

SIIIIIM!!!! A capital possui quilômetros de ciclovias e ciclofaixas que não estavam sendo utilizadas. E foi aí que o Renato Freitas teve a sua brilhante ideia, como facilitar a vida das pessoas que ficam horas paradas no trânsito caótico da cidade? Ele contou com um fator importante, as ciclovias, elas já estavam lá, porém quase ninguém usava. Então qual foi a solução?

Oferecer bicicletas, claro! E se por traz dessas amarelinhas existisse todo um esquema diferentão? Melhor ainda! Acredito que essa seja a marca e o diferencial da Yellow, as bicicletas não ficam presas a estações, mas soltas nas calçadas da capital expandindo um sistema internacionalmente conhecido como "dockless". Junto a isso é muito fácil de alugar uma bike. Por meio do aplicativo, o usuário consegue desbloquear o cadeado da bike, pagar pelo serviço e o aplicativo mostra também qual a Yellow mais próxima do usuário quando este quiser alugar uma. Esse conjunto de fatores faz a Yellow ser tão especial.

Eu sou muito suspeita para falar sobre esse case em especial, principalmente depois de ter morado na Alemanha, mais precisamente na capital alemã das bicicletas, Münster, onde eu andava de bicicleta de um lado para o outro todos os dias. Por isso e pelos outros fatores citados acima acho a ideia e a iniciativa da Yellow incrível.

 

The Business Change
Ler conteúdo completo
Indicados para você