[ editar artigo]

Como saber se sua Startup está progredindo?

Como saber se sua Startup está progredindo?

Como avaliar o estágio de maturidade de sua Startup? Como descobrir se sua startup está progredindo? Como avaliar se um programa de aceleração realmente acelera você- ao invés de somente fazer workshops? Já presenciamos alguns casos em que startups realmente se consideravam mais maduras do que realmente eram- isso acontece com muita frequência. Não se deixe enganar com número de funcionários, usuários ou linhas de código. Esses indicadores, mesmo sendo absolutamente importantes, são altamente “manipuláveis” por ações pontuais que não refletem, necessariamente, amadurecimento do negócio.

A Primeira Escolha de uma Startup

Desde o primeiro dia da construção de uma startup, é preciso trabalhar muito. A carga de trabalho sempre será grande e quase nunca consegue ser finalizada. Todo novo desafio traz à tona uma pergunta: trabalhar mais ou mais inteligente? Geralmente, nesses cenários, se encontra duas limitações: um dia só tem 24 horas e o ser humano precisa dormir. Portanto, só resta uma opção. Ao encarar esses desafios, a startup precisa se desenvolver, aprender, validar e criar soluções.

O Nosso Modo de enxergar isso

Ao começarmos o trabalho com uma startup, fazemos uma espécie de avaliação. Internamente, a chamamos de: Curva de Validação de Hipóteses- um dia pensarei em um nome mais criativo. Nessa curva, sequenciamos os principais marcos de validação de uma startup.

Após vermos os resultados e falarmos com os founders, entendemos se aqueles itens realmente foram validados. A startup encontrou um meio inteligente e eficiente de lidar com tal item? Ou simplesmente, trabalha mais, gasta mais, aplica esforços desproporcionais para “contornar” esse passo? Os esforços desproporcionais se manifestam de várias maneiras: desenvolvimento por terceiros sem ter a propriedade do software, equipes de vendas gigantes, gastos para aquisição de clientes muito maiores do que a receita que tal cliente traz para a empresa durante toda sua vida útil, campanhas de marketing “faraônicas” que não se refletem em vendas, etc.

Cada item que elencamos está situado em uma TRL, “Technology Readiness Level”, que agrupa os aprendizados em fases. Emprestamos esse termo da metodologia aplicada pela NASA- já falamos sobre isso na comunidade- que avalia a prontidão de determinada tecnologia para uso no espaço. Podemos dizer que, no nosso caso, usamos SRLs: “Startup Readiness Levels”, que avalia a prontidão da startup para escalar.

Como avaliar seu progresso de um jeito simples?

É possível avaliar seu progresso a partir do próprio modelo de negócios de sua startup. Um bom método para isso é a lista das hipóteses de maior risco. Analise seu modelo e pense: qual parte, caso não aconteça como o planejado, oferece maior risco de acabar com meu modelo de negócios?

Por menor que sejam, algumas hipóteses podem oferecer muito risco para qualquer ideia genial que vale um milhão de dólares. E se seu aplicativo não tiver downloads? E se você não tiver a capacidade de desenvolver a funcionalidade principal que propôs? E se o público que escolheu foi o mais difícil de ser convencido? E se não houver vendas? E se não conseguir monetizar do jeito imaginado?

Junte todos esses “ses” em uma lista e priorize por risco. Qual representa mais risco para seu negócio? Desse modo, cria-se uma “trilha” de quais tópicos precisam ser validados primeiro. Primeiro, teste a hipótese de maior risco, então a segunda, a terceira e assim por diante. O progresso deve ser medido pelo aprendizado; todos os outros indicadores irão melhorar consequentemente.

Startups

The Business Change
Gabriel Henrique Dalmolim
Gabriel Henrique Dalmolim Seguir

Economista, curioso e entusiasta por tecnologia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você