[ editar artigo]

O Desafio das Aceleradoras

O Desafio das Aceleradoras

No ecossistema empreendedor, vários agentes e instituições se combinam, em fases e intensidades diferentes, para catalisar o sucesso de negócios nascentes. Startups e micro-empreendedores recebem ajuda de: aceleradoras, incubadoras, instituições para capacitação, orgãos públicos, etc.

Hoje, o principal foco está em startups, um grupo de pessoas a procura de um modelo de negócios inovador e escalável. Surge, então, como principal agente para catalisar o progresso dessas startups: as aceleradoras. Programas intensos de duram alguns meses que- literalmente- aceleram o processo de desenvolvimento de uma startup.

Os Desafios Atuais

Segundo reporte da CBInsights, que já comentamos mais a fundo aqui na comunidade, as principais causas de mortalidade para startups são essas abaixo:

 

https://www.cbinsights.com/research/startup-failure-reasons-top/

Contudo, se classificarmos esses motivos, podemos enxergar de uma maneira mais clara os problemas no ecossistema de inovação atual- mais especificamente das aceleradoras.

Descoberta do Cliente

Ignorar os Consumidores (10º), Produtos Fora do Tempo (9º) e Sem Necessidade de Mercado (1º) apontam para um erro em comum: a descoberta do cliente. Essa fase, no início de uma startup é primordial para o sucesso ao longo prazo.

Leia mais sobre descoberta do Cliente: Como transformar sua idéia em produto

Teoricamente, uma aceleradora não é responsável pela descoberta do cliente- já que as startups se encontram com MVP e tração inicial. Porém, em mercados mais incipientes, como o Brasil, muitas vezes é necessário “revisar” o processo para garantir eficácia. Mentores podem auxiliar nesse sentido, mas o empreendedor é a principal figura na descoberta do cliente. É justamente nessa fase que empreendedor se desenvolve mais e se torna a pessoa certa pra achar o melhor solução para tal problema.

Tempo para a descoberta do problema não é um tempo perdido.

Quando feito corretamente, economiza tempo- e dinheiro- significativamente. Esse foi o principal erro do Snapchat em seu redesign - até seu CEO admitiu que deviam ter feito mais testes- e isso custou muito caro para ser arrumado.

A velha máxima de “errar rápido e barato” é ainda mais rápida e barata com um bom investimento de tempo na descoberta do problema e solução.

Desenvolvimento Estratégico dos Empreendedores

Produto sem Modelo de Negócios (7º), Perder para a Competição (4º) e Ser o Time Errado (3º) demonstram um problema crônico: preparar equipes para tomar decisões de maneira autônoma é um desafio.

Durante os processos de aceleração, com mentores sempre perto, as decisões mais estratégicas tem um auxílio muito valioso. Porém, o que acontece depois disso? Qual o aprendizado para o desenvolvimento de estratégias de longo prazo e autônomas?

O “ser o time errado” deveria ser substituído por “ser um time que não evoluiu”. Em grandes aceleradoras, como a YCombinator, o gerenciamento autônomo é algo incentivado entre as startups do programa. Porém, há um trade-off entre desenvolver esses empreendedores e acelerar os resultados de curto-prazo para apresentá-los em um demo-day.

Dificuldades com Métricas Acionáveis

Marketing ruim (8º), Problemas com Experiência de Usuários (6º), Problemas de Preços e Custos (5º), Ficar sem Dinheiro (2º), resumindo: métricas de marketing, produto e finanças.

Métricas acionáveis são o ponto fraco da maioria das startups. Porém, essas são extremamente importantes para que o ciclo de aprendizagem validada aconteça. Sem o correto acompanhamento de métricas de produto, é impossível melhorar produto, marketing e margem; tentar entender o valor percebido pelos clientes sem métricas é praticamente um palpite educado.

Contudo, há dois grandes agregados de métricas: as cumulativas e as segmentadas. As cumulativas, como volume de vendas e novos clientes, podem ser importantes, mas só mostram resultados sem mostrar eficiência ou melhoria de produto. As segmentadas, como taxas de conversão e retenção de cohorts, mostram como a startup está alcançando seus objetivos de modelo de negócios e escala. Qual métrica o investidor mais experiente dá preferência? As segmentadas. Porém, em um ambiente em que acelerar um negócio é o objetivo, como aceleradoras, isso nem sempre é privilegiado.

Estamos tentando “Hackear” a Inovação

O modelo de aceleração usado hoje no ecossistema é muito importante, tem seus pontos extremamente positivos e vantagens. Contudo, aceleradoras tem suas falhas, que estão ficando cada vez mais claras.

O foco em tração e desenvolvimento de produto, sem um amplo desenvolvimento do modelo de negócios e do empreendedor como gestor, traz algumas das distorções que ficam bem claras no relatório de mortalidade de startups. Há uma séria possibilidade de estarmos procurando atalhos para a real inovação e disrupção, de estarmos tentando “hackear” o processo inovador.

Como melhorar o modelo das aceleradoras para que o empreendedor e startup se desenvolva ainda mais? Clique aqui para saber!


 

Startups

The Business Change
Gabriel Henrique Dalmolim
Gabriel Henrique Dalmolim Seguir

Economista, curioso e entusiasta por tecnologia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você